Espiritualização, Alegorização, Moralização

Erros de Interpretação: Espiritualização, Alegorização, Moralização

Um passeio para aqueles que ensinam

Sabendo primeiramente isto: que nenhuma profecia da Escritura é de particular interpretação. Porque a profecia nunca foi produzida por vontade de homem algum, mas os homens santos de Deus falaram inspirados pelo Espírito Santo. (2 Pedro 1:20-21)   Esse é um tipo de tutorial inverso, um tutorial sobre o que não fazer. Olhamos para três inapropriados  tipos de interpretar um texto. Todos esses três são inapropriados porque eles removem o texto do seu contexto histórico e gramatical, para uma interpretação. Começamos com uma rápida definição e exemplos de cada um, e depois nos mostram cada um mais detalhado.

  • Espiritualizar é transformar o texto em uma analogia espiritual. Ex: Como Deus ajudou Davi a vencer o gigante, Deus irá te ajudar a vencer os gigantes da sua vida
  • Alegorizar é olhar alem do sentido imediato do texto, para achar um profundo, escondido, um sentido mais espiritual. Ex: O amor e a sabedoria do Senhor (representado por Davi) destruiu o ensinamento falso (representado por golias) tudo isso para proteger o verdadeiro ensino (o exercito de israel)
  • Moralizar é tirar um simples moralismo do texto, enfatizando “façam isso” ou “não façam isso”. Ex: Davi era corajoso quando ele enfrentou golias, então você deve ser corajoso também. Davi estava disposto a lutar seu inimigo, então você deve estar disposto a lutar seus imigos também.

Espiritualizando O que é espiritualizar? Espiritualizar pega o ponto principal do texto e cria uma analogia para algum ponto na vida daqueles que estão na classe. Nota:Espiritualizar não significa que nós tentaremos interpretar a Bíblia sem a ajuda do Espírito Santo. Seu ministério de iluminação é critico para a interpretação correta. Exemplos de Espíritualização?

  • Deus derrubou as muralhas de Jericó, e Ele quer derrubar as muralhas de sua vida
  • Deus ajudou Neemias reconstruir as muralharas de Jerusalém, e Ele quer te ajudar a reconstruir as muralhas de sua vida.
  • Jesus acalmou a tempestade no mar, e Ele quer acalmar a tempestade em sua vida.
  • Jesus expulsou demônios de pessoas, e Ele quer expulsar os demônios de sua vida.

Qual é problema com a interpretação do texto pela espiritualização? O principal problema tem a ver com a intenção autoral. Se seu ensinamento é para ser fiel ao texto, então é necessário ser fiel com a intenção de seu autor, o Espírito Santo. As narrativas da Bíblia são designadas para ensinarem verdades, frequentemente sobre o caracter de Deus (sua Fidelidade, sua Graça) ou sobre o carater do homem (especialmente sua necessidade de redenção). Espiritualizar é saltos do “então” do texto para o “agora” de sua classe, sem considerar a verdade que o texto intencionou a ensinar.

Alegorizando

O que é alegorizar? Alegorizar é evitar o óbvio, sentido literal do texto e acha outro sentido por trás. As características históricas no texto são pistas que apontam para ocultos significados espirituais. Os Gregos frequentemente alegorizavam textos religiosos, nesse eles foram influenciados pelas ideias de Platão sobre o dualismo. Como o homem era composto de carne (que era mau) e espírito (que era bom),  textos religiosos, inclusive a Bíblia, eram compostas de um sentido literal (que era sem valor) e um significado oculto (que era valioso). O mais famoso alegorista foi Fílon de Alexandria, um Filósofo Judeu, e original, um pai da igreja primitiva. Esse métodos de interpretação se infiltraram na igreja, e eventualmente foi crido que somente um Cristão maduro poderia achar esses sentidos ocultos. Alegorização continuou praticamente sem controle para a Idade Média até a Reforma.

Alguns exemplos de alegorização?

  • O amor entre Salomão e a mulher Sulamita no livro Cantares de Salomão é a imagem do amor entre Cristo e a igreja.
  • Fílon disse que a jornada de Abrão para a palestina era com a intenção de retratar a história de um filósofo estóico que deixa Caldéia, o que significa “entendendo pelo senso”. Ao tornar-se Abraão, ele entra na condição de ser um filósofo verdadeiramente iluminado.  (Paul S. Karleen, The Handbook to Bible Study, capitulo 4.)
  • Origenes interpretou a parábola do bom Samaritano no sentido que o viajante (Adão) viajou de Jerusalem (Céu) para Jericó (Mundo) e foi atacado por assaltantes (Diabo). O sacerdóte e o levita (a lei e os profetas) que passaram pelo…, mas o Samaritano (Cristo) ajudou ao viajante. Ele levou o viajante para uma hospedaria (igreja) e prometeu voltar (segunda vinda de Jesus). (Sydney Greidanus, The Modern Preacher and the Ancient Text, 159-160).

Embora a alegoria não seja útil para a interpretação bíblica, ela é uma ferramenta legítima para ensinar e comunicar ideias. John Bunyan’s Pilgrim’s Progress, C. S. Lewis’ The Chronicles of Narnia, and J. R. R. Tolkien’s The Silmarillion são exemplos de alegorias que podem ser útil. Qual é o problema com interpretar o texto pela alegorização? Alegorizar é completamente subjectivo. Porque remove o texto do seu contexto, não há padrão objectivo que possa determinar se uma interpretação de texto é a correta. Porque ela é tão individualizada, interpretações variam largamente entre aqueles que interpretam. Em resumo, uma interpretação alegórica coloca ela mesma acima da autoridade final, acima das escrituras em si mesma. E sobre Gálatas 4:21-31? “O que se entende por alegoria; porque estas são as duas alianças; uma, do monte Sinai, gerando filhos para a servidão, que é Agar. (Gálatas 4:24)”. Alguns argumentam que desde que Paulo interpretou o velho testamento pela alegoria, assim também você deveria. Para entender o que Paulo está fazendo, você precisa entender o significado dessa palavra grega, allegoreo. Paulo não usou ela no senso que Fílon, Orígenes, e outros usaram a palavra alegorizar, nem ele usou ela no senso moderno da palavra alegorizar. Isso é o porque de algumas novas traduções usar outras palavras, tais como, simbolizar (NKJV), ilustração (HCSB), e figurativa mente (NVI). Paulo, entretanto, usa a palavra no mesmo sentido que os rabinos Judeus de seus dias usavam. Isso é, ele não removeu o texto do seu contexto para achar uma verdade profunda, mas ao contrário ele viu a situação que aconteceu debaixo da velha aliança que previu e foi repetida por outra situação debaixo da nova aliança. (Richard Longenecker, Galatians, Word Biblical Commentary, 209). Exitem três conclusões sobre o uso da palavra allegoreo por Paulo nesse texto. Primeiro, provavelmente  é enganoso traduzir essa palavra grega como “alegoria”. Segundo, Paulo não alegorizou a história de Sara e Agar como alegorizando foi definido acima. Terceiro, Gálatas 4:21-31 não valida a alegorização como método de interpretação.

Moralizando

O que é moralizar?  As ideias gerais é que alguns personagens bíblicos tem mostrado uma grande virtude, e da mesma forma você deveria ter essas mesmas virtudes, ou o personagem bíblico realizou uma grande atividade, e da mesma forma você deveria realizar uma mesma atividade. Ela enfatiza “virtudes e vícios, façam e não façam” sem “ fundamento próprio que essas éticas demandam nas escrituras”. (Sydney Greidanus, The Modern Preacher and the Ancient Text, 163‑164).

Alguns exemplos de moralizar?

  • Boaz – Boaz foi bondoso com Rute, da mesma forma você deveria ser bondoso.
  • Natan – Quando Natan confrontou Davi, ele usou uma parabola inteligentissima, da mesma forma quando você confrontar alguem, você deveria inventar  uma parabola inteligente.
  • Neemias – Quando Neemias conduziu as pessoas para construir as muralharas, ele foi um grande lider, da mesma forma quando você querer ajudar sua igreja a realizar coisas para Deus, você deveria desenvolver liderança em sua vida.
  • O leproso curado – 10 leprosos foram curados, mas somente um foi grato, da mesma forma você deveria ser grato.
  • Paulo – Quando Paulo foi para Átenas, ele foi ao mercado com os gentils, da mesma forma quando você desenvolver uma estratégia evangelistica, você precisa olhar para lugares agradaveis onde os não Cristãos se encontram.

Qual é o problema com a interpretação do texto pela moralização? Depois de tudo, os fatos apresentados  são verdade, a virtude ou atividades são provavelmente recomendadas ou ordenadas em algum lugar das escrituras, e Paulo nos falou para aprender de exemplos biblicos (1Co 10:6,11). Existem dois problemas com esse tipo de ensinamento :

  • O primeiro problema tem haver com a intenção autoral. Se seu ensino é para ser fiel ao texto, então é necessario ser fiel a intenção de seu autor, o Espírito Santo. Lições morais dessa sorte são raramente (se nunca) a intenção do autor, então são raramente o ponto principal do texto. Davi e Golias estão na Bíblia somente para te ensinar a ser corajoso ou está lá para te ensinar que Deus continua vivo, a batalha pertence a Ele não entrega pela espada ou lança (1Sa 17:26,46-47)? A parabola de Natan sobre o cordeiro está na Bíblia para ensinar a você sobre estratégias efetivas de confrontação, ou está  lá para te ensinar que Deus odeia o pecado e não deixará você permanecer nele (2Sa 11:27)? É certo mencionar esses tipos de intens periféricos na lição, mas se não forem o ponto principal do texto,  é correto se eles não forem o ponto principal de sua lição. (O que fazer se você quer ensinar uma lição sobre essas virtudes? Isso não tem problema, simplismente ache um texto onde a virtude é o ponto principal do texto e ensine a partir daquele texto.)
  • O segundo problema é mais sério porque intereça a natureza do tipo de lição. Uma lição que meramente defende boas virtudes e conduta moral é subscrição-Cristã, ela reduz a Bíblia na mesma validade como “Aesop’s fables” (e o moral da história é…). Moralismo é subscrição-Cristã  e subverte a mensagem do evangelho porque ignora duas coisas:

 

  1. Primeiro, ignora a pecaminozidade do homem. A Bíblia toma grande cuidado ao mostrar a pecaminozidade dos heróis da fé: Abraão mentiu para Sara, Moisés bateu na rocha, Davi teve Bateseba, e Paulo precisou ter um espinho na carne para continuar humilde. Tudo isso nos mostra que mesmo as melhores pessoas são falhos, e conduta humana jamais herda a aceitação de Deus.
  2. Segundo, ignora a Graça de Deus. Você é salvo pela Graça. E uma vez salvo, você ainda precisa de mais Graça, você não pode ser bom em você mesmo. Mesmo quando você tem bons exemplos como Davi e Paulo diante de você, você ainda necessariamente depende da Graça de Deus para ser Santo.

Conclusão

Como você pode evitar a espiritualização, alegorização e moralização?

  • Primeiro, entenda que eles tendem a ocorrer nas narrativas e textos biográficos, aqueles que são centrados na vida e ação de algum personagem biblico.
  • Segundo, tome cuidado para achar o ponto principal do texto e fazer dele o ponto principal de sua lição.
  • Terceiro, lembre que o herói de todas as narrativas é Deus. Os personagens podem realizar coisas fantásticas, mas a glória sempre pertence somente a Deus.
  • Quarto, tome cuidado ao ligar seu texto com a mensagem de Jesus e o evangelho. Todo texto representa alguma relação com ele, e essa relação necessariamente deve ser enfatizada. (The mini-tutorial “The Gospel of Jesus” explains this concept and provides help on finding the correct relationship to the gospel.)

Texto: James Garriss (www.garriss.org)

Tradução: Tiago Hirayama Download – Documento em formato word

One thought on “Espiritualização, Alegorização, Moralização

Add yours

Leave a Reply

Please log in using one of these methods to post your comment:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Up ↑

%d bloggers like this: