O Verdadeiro Ponto Decisivo na História do Filho Pródigo

Onde está o ponto decisivo na parábola dos dois filhos (Lucas 15.11-32)?
Seria o momento em que o jovem rebelde “caiu em si” quando cuidava dos porcos?

Essa é certamente a maneira como a história é pregada. Somos encorajados a nos colocar no lugar do miserável, e igualmente, decidir fazer o bem. Neste tipo de pregação, o filho pródigo é seu próprio salvador, e o ouvinte é encorajado a seguir o exemplo: arrume sua vida, prepare o seu discurso de arrependimento, e retorne ao serviço do Pai. Aqui está o evangelho segundo o chiqueiro.

O Verdadeiro Momento Decisivo

Mas seria este realmente o momento decisivo na história? Não me refiro em termos literários. Estou perguntando: o que realmente determina o destino do filho pródigo? Qual é o momento decisivo para sua vida? É o “cair em si” quando cuidava dos porcos?

Não, claro que não. Ele poderia ter planejado o melhor plano de arrependimento do mundo e ainda assim ter sido justamente rejeitado por seu pai. O momento chave é o abraço do Pai.

A mudança real no filho pródigo — tanto sua mudança de condição quanto de coração — acontece nos braços do pai. É alí que o arrependimento ocorre.

Imagine-se naqueles braços. Pode ser que você se sentisse mal antes, mas agora você se detesta — e no entanto não consegue escapar do Seu amor. Pensava que estava fedendo do chiqueiro, mas agora sente seu fedor no âmago —mesmo assim você é abraçado bem forte. Havia composto um discurso de arrependimento, mas agora sua consciência do pecado o esmaga — porém, a graça o envolve.

O verdadeiro arrependimento ocorre no abraço do Pai. E é alí que nosso arrependimento diário acontece. 

Pecando nos Braços de Nosso Pai

Quando pecamos, nos colocamos no chiqueiro, com uma longa jornada de volta para casa diante de nós? Ou nos consideramos nos braços do Pai? Há uma grande diferença.

Lembro-me de falar com um homem cristão sobre seu caso extraconjugal de anos passados. Depois dele me contar o horror de sua infidelidade, eu disse: “Você percebe que no meio de todo este mal, Jesus estava se regozijando sobre você como um noivo se alegra com sua noiva?” Ele fez uma longa pausa e disse: “Isso torna isto cem vezes pior!” Respondi: “Sim, torna mil vezes pior”. Achamos que conseguimos pecar escondidos em algum canto. Não. Basta ler 1 Coríntios 6.15–20 para ver que estamos verdadeiramente unidos a Cristo no nosso pecado. 

Nós fedemos como porcos nos braços do Pai. Isso é mil vezes pior do que feder no chiqueiro. Porém é um milhão de vezes melhor também. Porque se ele nos ama no auge daquilo que há de pior em nós, então estamos realmente seguros. 

Não É um Plano de Chiqueiro

Como pregar a filhos pródigos? Com certeza eles devem se arrepender. Obrigatoriamente. Os pecadores necessitam de uma vida completamente nova — porque a velha cheira mal. Mas onde eles encontrarão essa vida nova? Não em suas resoluções; mas somente nos braços do pai. O evangelho não é um plano de chiqueiro, dizendo aos rebeldes como fazer restituiçāo. É o anúncio de alguém “que recebe pecadores e come com eles”. Ele é nosso foco.

Como pregar a nós mesmos? Como cristãos, imaginamos que entramos e saímos da casa do Pai de acordo com o nosso desempenho, mas isso é uma mentira. Quando pecamos, não estamos sozinhos no chiqueiro. Estamos lá nos braços dEle — apesar do mau cheiro Ele está nos abraçando. Isso é mil vezes pior. E um milhão de vezes melhor.

Por Glen Scrivener
Traduzido por Tiago Hirayama
Original: The Real Turning Point in the Prodigal Son Story

Leave a Reply

Please log in using one of these methods to post your comment:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Up ↑

%d bloggers like this: